skip to main content

Será que sabemos o que é risco?

2020.6.21 Luis Silva

Risco pode significar algo distinto para diferentes pessoas. A noção que temos, assim como a importância que damos a determinados tipos de risco influência o nosso investimento, podendo tanto ser uma vantagem como uma limitação.

Há muitos tipos de risco. O risco de não conseguirmos vender os nossos activos (risco de liquidez), o risco de uma empresa, cuja obrigação detemos, ir à falência (risco de crédito), o risco do gestor do fundo de investimento que compramos fazer maus investimentos, entre outros. Seja a perda momentânea ou total do capital investido.

Se fossemos enumerar e explicar os tipos de risco existentes teríamos na nossa mão uma série de artigos, não apenas este.

A melhor definição que já vi de risco foi “a probabilidade de não atingirmos os nossos objetivos no período estipulado”. É a definição mais abrangente que conheço, ao mesmo tempo que nos transmite corretamente o que poderá ser considerado como risco. Qualquer evento, seja ele de crédito, aumento de volatilidade devido a uma crise ou recessão económica, ou mesmo um aumento de volatilidade sem razão aparente, caso contribua para uma menor probabilidade de atingirmos os nosso objetivos e plano de investimento, deverá ser considerado risco.

Acho este conceito tão bom que até nos faz pensar no que é, de facto, risco e que muitas vezes poderá ir contra aquilo que sentimos emocionalmente. Imaginemos uma pessoa jovem e que tenha começado a investir recentemente com vista a poupança de muito longo prazo. Face a uma queda como a que experienciamos este ano deverá considerar isso risco ou uma oportunidade? Independentemente de podermos “sentir” isso como risco deverá, muito provavelmente, ser visto como uma boa oportunidade de investimento. A verdade é que a definição de risco transcrita acima assim o diz, até porque a queda do mercado acionista, e consequente aumento de expectativas de retorno futuro, aumenta as probabilidades de atingirmos os nosso objetivos. Não garante que os atinjamos mas deverá aumentar a probabilidade de o fazer já que os ativos apresentam rácios mais atrativos.

 

Volatility is not the same thing as risk, and investors who think it is will cost themselves money. Warren Buffett.

 

Queria demonstrar neste exemplo que o risco é algo complexo e ambíguo, centrado no investidor e no seu horizonte temporal de investimento. Que até uma queda do mercado acionista poderá ser vista não como um aumento de risco mas sim como diminuição de risco.

Este artigo tem como objetivo fazer-nos pensar melhor sobre o que é o risco, o que realmente significa para cada um de nós em vez de nos deixarmos levar pelas emoções e abandonar ou alterar os nossos planos num evento como esta pandemia.

No fundo o mercado tem recompensado o risco e em alturas em que o risco é (ou nos parece) mais elevado tem sido também, historicamente, as melhores alturas para investir.

Warren Buffet diz que volatilidade não é o mesmo que risco. Eu diria que volatilidade não é necessariamente o mesmo que risco.

 

P.S. - Já temos newsletter. Podem subscrever no footer (em baixo). Será semanal com as actualizações do blog, material exclusivo de social media e outras actualizações do site. Uma forma simples de em 30 segundos verem todas as novidades da última semana.

Luis Silva
Luis Silva

Licenciado em Economia (2006) e pós-graduado em Finanças pela Universidade Católica do Porto (2010), apercebeu-se, mais tarde, que partilhava o mesmo entusiasmo por programação.

Ver todos os artigos

+351 939873441 (Vítor Mário Ribeiro, CFA)

+351 938438594 (Luís Silva)

future@futureproof.pt

A Future Proof é um agente vinculado do Banco Invest, S.A. registado na CMVM.

Menu